27/12/2023 às 16:07 Storytelling Travels

“Não sei, só sei que foi assim” 

394
7min de leitura

Comecei a fotografar em 1995. E lá se vão 25 anos...!

Tudo começou em uma viagem pela Europa. Eu tinha comprado uma câmera de segunda mão de uma amiga 5 anos antes e usei essa mesma câmera em minha primeira viagem internacional. Uma Canon de plástico com lente fixa e um terrível desvio de paralaxe que tinha que ser corrigido “no olho”. E filmes. Muitos filmes!

Quando voltei, o pessoal da loja onde revelei os filmes elogiou algumas das fotos (outras ficaram horríveis, confesso). Mostrei essas fotos melhores para amigos e familiares que gostaram bastante. Uma dessas fotos acabou em um quadro no escritório de outra amiga enquanto outras ainda estão na parede de casa.

E foi assim que a fotografia entrou na minha vida como mais um hobby (assim como música e literatura). Comprei livros sobre o assunto, tomei dicas com fotógrafos profissionais e fui avançando nessa arte enquanto trabalhava na área financeira, na qual já era formado e trabalhava desde 1990.

Quando resolvi viajar em 2008 para a Colômbia, acabei comprando uma pequena Sony Cybershot. Compacta, leve e com lente fixa da Carl Zeiss. Muito legal para fotografia de rua. Com ela rodei pelo país, visitei 6 cidades e fiz imagens que ainda hoje me trazem boas lembranças. Tanto que ainda a uso!

Dois anos depois tive a chance de visitar o Québec e lá adquiri minha primeira DSRL, uma Nikon D3000. Pela primeira vez pude trocar lentes, colocar filtros e experimentar algumas alternativas ao registrar uma viagem.

Naquele ano conheci minha esposa, que também vinha do mundo corporativo. Formada em Turismo e pós-graduada em Marketing, a Elaine era antes de tudo outra amadora apaixonada por fotografia e viagens. Mais do que um equipamento incrível (ela tinha uma simples câmera digital Casio Elixim), ela já mostrava sensibilidade para contar histórias por meio de imagens.

De 2011 a 2017 viajamos juntos em diversas oportunidades dentro e fora do Brasil e nosso interesse pela fotografia e pela indústria do Turismo só foi aumentando. 

Aumentou tanto que livros e vídeos sobre o assunto já não bastavam. Então, em 2018, decidimos fazer um curso profissionalizante na área. E isso mudou o ritmo de nossos planos.

Pensávamos na fotografia como um plano B para a aposentadoria, mas a entrega foi tal que tiramos um sabático em 2019 para estruturar a nova carreira e decidimos antecipar os planos do tal plano B.

Em 2019 juntamos ao nosso equipamento de trabalho uma Nikon DSRL D750, uma Sony Mirrorless Alpha 6000 (excelente para vídeo!), várias lentes Nikkor e Sony, além da premiada Sigma Art DG HSM que é excepcional para arquitetura e paisagens, tripés Manfrotto, filtros, flashes Godox e um monte de outras “coisas legais”! A sessão de fotografia da biblioteca cresceu em mais de 30 títulos e o diploma de fotógrafos profissionais saiu do forno pela Omicron Escola de Fotografia.

Um de nossos trabalhos de formatura recebeu menção honrosa no Brasília Foto Show, o maior festival de fotografia popular do Brasil.

Com as novas câmeras criamos imagens para portfólio, viajamos e no início de 2020, pouco antes da pandemia, nascia a Bravo! Fotografia (cuja marca foi feita pela DTavora Branding Design e que tem um vídeo sobre a concepção da marca super legal). A nova empresa materializava nossa paixão comum pela fotografia, pela indústria de Turismo e Hotelaria, pela Arquitetura, pela Gastronomia, pelas viagens e principalmente pela arte de contar boas histórias por meio de imagens capturadas através das lentes.

E em 2020, se por um lado a pandemia certamente atrasou algumas ações que tínhamos em mente para a empresa, também nos deu tempo de fazermos diversos outros cursos, estruturar os fluxos de trabalho internos, organizar de forma profissional as áreas administrativa e financeira (tivemos longa passagem pelo mundo corporativo, lembra?) e incluir novos serviços ao cardápio da empresa, o caso a fotografia aérea com drones (um drone DJI se juntou aos nosso arsenal, permitindo novos voos criativos!) e da curadoria de imagens para o marketing de nossos clientes.

E foi assim. Nossa paixão pela narrativa fotográfica começou mais ou menos na mesma época, há mais de um quarto de século atrás. Essa paixão foi contada por diferentes lentes, que nos ajudaram a lapidar o olhar, a ver o mundo de forma particular e poder hoje ajudar outros empreendedores a contar as histórias de seus próprios produtos e serviços por meio de imagens.

E você? Que a história gostaria de contar pra nós, para que a traduzíssemos em imagens? 

Marque um café e conte pra gente.

***


"I DON´T REALLY KNOW; I JUST KNOW THAT´S HOW IT HAPPENED".

I started photographing in 1995. And that's 25 years later...!

It all started on a trip to Europe. I had bought a second-hand camera from a friend five years earlier and used it on my first international trip. A plastic Canon with a fixed lens and a terrible parallax shift that had to be corrected "by eye". And movies. Lots of films!

When I got back, the people at the store where I developed the films praised some of the photos (others were awful, I confess). I showed these better photos to friends and family who really liked them. One of these photos ended up in a frame in another friend's office, while others are still on the wall at home.

And that's how photography came into my life as another hobby (just like music and literature). I bought books on the subject, took tips from professional photographers, and progressed in this art while working in the financial area, in which I already had a degree and had been working since 1990.

When I decided to travel to Colombia in 2008, I ended up buying a small Sony Cybershot. Compact, light and with a fixed Carl Zeiss lens. Very good for street photography. With it I travelled around the country, visited 6 cities and took pictures that still bring back fond memories. So much so that I still use it!

Two years later I had the chance to visit Quebec and there I bought my first DSRL, a Nikon D3000. For the first time I was able to change lenses, add filters and experiment with some alternatives when recording a trip.

That year I met my wife, who also came from the corporate world. With a degree in Tourism and a post-graduate degree in Marketing, Elaine was first and foremost an amateur with a passion for photography and travel. More than incredible equipment (she had a simple Casio Elixim digital camera), she already showed a sensitivity for telling stories through images.

From 2011 to 2017 we travelled together on several occasions in and outside Brazil and our interest in photography and the tourism industry only grew.

It grew so much that books and videos on the subject were no longer enough. Then, in 2018, we decided to take a professional course in the field. And that changed the pace of our plans.

We had been thinking of photography as a plan B for retirement, but we were so taken with it that we took a sabbatical in 2019 to structure our new career and decided to bring forward the plans for this plan B.

n 2019 we added to our work equipment a Nikon DSRL D750, a Sony Mirrorless Alpha 6000 (excellent for video!), several Nikkor and Sony lenses, as well as the award-winning Sigma Art DG HSM which is exceptional for architecture and landscapes, Manfrotto tripods, filters, Godox flashes and a lot of other "cool stuff"! The library's photography section grew by more than 30 titles and the professional photographers' diploma came out of the oven from the Omicron School of Photography.

One of our graduation projects received an honourable mention at the Brasília Foto Show, the largest popular photography festival in Brazil.

With the new cameras we created images for portfolios, travelled and at the beginning of 2020, just before the pandemic, Bravo! Fotografia was born, a company that embodied our shared passion for photography, the tourism and hospitality industry, architecture, gastronomy, travel and, above all, the art of telling good stories through images captured through the lens.

And in 2020, while the pandemic certainly delayed some actions we had in mind for the company, it also gave us time to take several other courses, structure internal workflows, professionally organize the administrative and financial areas (we had a long stint in the corporate world, remember?) and include new services to the company's menu, such as aerial photography with drones (a DJI drone joined our arsenal, allowing for new creative flights!) and the curation of images for our clients' marketing.

And so it was. Our passion for photographic storytelling began around the same time, more than a quarter of a century ago. This passion has been told through different lenses, which have helped us to refine our gaze, to see the world in a particular way and to be able today to help other entrepreneurs tell the stories of their own products and services through images.

What about you? What story would you like to tell us, so that we could translate it into images?

Book a coffee and tell us.

27 Dez 2023

“Não sei, só sei que foi assim” 

Comentar
Facebook
WhatsApp
LinkedIn
Twitter
Copiar URL

Tags

fotografia storytelling Viagens

You may also like

22 de Dez de 2023

Hospitality: a new bloom

22 de Dez de 2023

How to transform your hotel's marketing strategy using storytelling

22 de Dez de 2023

WHAT IS HERO PHOTO?

Request a quote!
Logo do Whatsapp